segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Prosopopeia de um amigo



Fonte

Vim aqui falar de um amigo. Amigo daqueles que guardam em si algumas (eu diria até muitas) coisas que você sempre precisa. Um amigo que me ajuda a edificar minhas crônicas, que tem um repertório gigantescamente apropriado além, é claro, de estar sempre disponível.
Se ele sofre bullying? Sim. Vive sendo chamando de pai dos burros, dá pra acreditar? Mas ele não é muito de responder, fica sempre na sua. Nesses momentos é que dou ainda mais valor na nossa amizade. O que seria de mim sem ele?
Às vezes tenho uma dúvida daquelas meio óbvias, do tipo “como se escreve cadarço?”. Ele responde sem dar risadas. Até o significado eu teria se pedisse. Prestativo, não? Às vezes nem sei como agradecer...
Tem quem chame ele de pai dos inteligentes. Posso até concordar. Mas ele não é pai de ninguém não. Pra mim é amigo. O negócio é amizade mesmo, aquela que ele mesmo define como  "Sentimento fiel de afeição, simpatia, estima ou ternura entre pessoas que geralmente não são ligadas por laços de família ou por atração sexual" Dá pra sentir que o vocabulário dele é dons bons, né?
Ele é bem querido. Lembro que na minha época de ensino médio até a professora de matemática recorria pra ele quando batia aquela dúvida sobre uma palavrinha do livro. Tinha gente que achava nada a ver aquilo tudo... Mas no fundo ajudava bastante.
Já tive um amigo como esse antes. Não tão igual, mas parecido. Foi na primeira série. Ah, como éramos felizes! Ele também tinha bastante informação e era bem prestativo. Só que um dia eu saí da aula e ele ficou. No outro dia ele não estava lá. Fui perguntar sobre ele pra professora, acredita que ela me mandou procurar nos achados e perdidos? Nunca mais o vi...
Depois dessa perda, esse meu novo amigo e eu nos tornamos inseparáveis. Quando não estou com ele por perto, vai pelo computador mesmo. Pra quem acha que as coisas mudam pelo virtual, está enganado... É a mesma coisinha! Não é que ele é de ouro mesmo? Abstenho-me de contrariar nossa amizade.
Sabe, eu não me importo que a lateral dele fique sujinha de tanto usar e muito menos que ele tenha uma capa, várias páginas de papel branco com todo seus verbetes, uns nomes de autoria, umas informações de produção e que ele seja classificado como um produto. É com todo prazer que eu redijo aqui nossa amizade. É provável que ele não tenha voz pra agradecer a homenagem, mas dentro de si sempre vai haver um “obrigado” que ele insiste em mostrar o significado!


Luís Fellipe Alves

15 comentários:

  1. Ele compensa com uma infinidade de palavras, verdadeiras, explicadas e sem duplo sentido, o não ter voz para agradecer.
    De obrigado, adorei a genial, ou conjuntos de palavras que a nossa amiga gramática chama de frase como: Eu mereço! Não sou pai, sou irmão, amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tina, não é que você entende como esse meu amigo é?

      No fundo ouvimos a reciprocidade desse sentimento! Como na frase aqui apresentada por você...

      Obrigado por comparecer!
      Um abraço.

      Excluir
  2. Olá Luis,

    Cá estou eu a me emocionar com teu trabalho. Esse seu amigo Di... Engasguei. Queria dizer que este seu amigo é Divino. Tenho um assim também. E digo que se soubermos valorizar bem estes amigos estaremos mesmo feitos...

    Você arrasa! ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, senhorita! Sente-se como eu, então!
      Esse nosso amigo Di... (O que anda acontecendo com nossas gargantas?) Divertido... Ele tem sempre um modo de nos fazer sorrir quando nos completa com aquilo que precisávamos. Concordo totalmente que levamos bons frutos se cultivarmos essa amizade.
      Muito obrigado!
      Abraço.

      Excluir
    2. hehee. Então está combinado. vamos distribuir Di... (cof cof) hehe por ai. Até mais! ;)

      Excluir
  3. Muito boas suas crônicas, Luis Felipe. Essa falando de amizade é mesmo emocionante.
    Um abraço dos grandes!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigad, Dade!
      Espero que volte mais vezes.
      Abraço.

      Excluir
  4. Olá, adoei de verdade o seu blog, super conceitual, mas vim te fazer uma proposta, da uma passada no garotos modernos e se gostar pode segui-lo e comenta-lo que logo farei o mesmo beijos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, muito obrigado.
      Já acessei o blog, achei interessante, espero que tenham sucesso :)
      Abraços

      Excluir
  5. Olá,

    Há quem pense que um amigo assim deva ser preservado, mas sou de sua teoria: deve mesmo ser muito usado, muito explorado! Por sinal, é o único relacionamento no qual a exploração deliberada é uma expressão de gratidão.
    E, veja que interessante, temos esse grande amigo em comum, hein! Mundo pequeno, né... rsrsrs

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Suzy que bom vê-la por aqui!
      E não é? Esse nosso amigo está aqui é pra isso! Nada melhor que uma marca que denuncie o quanto exploramos seu conteúdo!

      Ah, e parece que não somos os únicos a ter esse amigo... Dessa forma o mundo é ainda mais pequeno do que o ditado propõe! rsrs

      Um abraço!

      Excluir
  6. Olá, Fellipe!

    Achei essa sua crônica um misto de criatividade, de agradecimento, de carinho e de confiança! O que mais precisamos de um amigo? Ah, também fidelidade, certamente. Também não vivo sem um amigão desses, eles me dão a confiança, o apoio que preciso para poder dizer o que quero. Mas, primeiramente presto a minha homenagem a ele. Ou eles, sim, porque de vez em quando me valho de mais de um amigo. Porém todos são meio parecidos. Claro, tenho o meu preferido. Mas não é bom dizer, os outros podem ficar meio magoados!

    Bela crônica, Fellipe, você mostrou muita sensibilidade e olha... nem todos sabem manifestar tanto agradecimento...Mas esse é o amigão que nunca nos apronta!
    Abraços, amigo, avante! Muito bom te ler.
    Tais

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Tais!
      Embora a ideia de que se ter um amigo desses seja uma falha no conhecimento esteja quase extinta, ainda existem pessoas que acreditam que nós temos a obrigação de tê-lo na ponta de nossa língua. Uma ideia absurda. Então por esse texto resolvi retificar que nossa relação é realmente uma amizade, é algo necessário e prazeroso! Não há mal algum em consultá-lo. É justamente pelo contrário. Como você disse, ele te transmite confiança... É exemplar, é belo, é concreto poder explorar um lugar feito exatamente para tal. É nosso porto seguro.

      Bom, digamos que temos ajuda de outros amigos, mas é bom não dizer nada sobre o mais... eficiente! hahaha

      Muito obrigado, Tais, você sabe quão importante é para mim o seu elogio e sua presença aqui!
      Avante! rs
      Abraços!!

      Excluir
  7. Amizade, que beleza te tema. E quanta coisa legal você trouxe junto hein!!!?? Adorei te ler. Amigos como esses são sempre bem vindos! Um Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Vanessa, esse é um tema bem interessante mesmo, inclusive quando se trata desse amigo! rsrs
      Obrigado de verdade pela presença aqui no blog e pelo elogio. É dessa forma que construo passo a passo a minha escrita. Com a ajuda de vocês.
      Obrigado de coração!
      Abraço!!

      Excluir


Obrigado!




Ir para o Topo