sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Última do excelente, maluco, indescritível, bobo, chuvoso, calorento, trágico, feliz, cansativo, leve, preguiçoso, animado, querido e diferente 2012



           
Dois mil e treze
Sejas meu amigo
Torna-te querido 
Acolha-me na sua jornada
Traga-me boas sextas
Leve-me para bons lugares
Seque minhas lágrimas
Desafie-me 
Traga dias de sol
Chuva
Frio
E meteorologia chata
Amanheça na calma
Anoiteça fervoroso
Não se entristeça
Quando do seus dias eu cansar
É normal...
No fim, reconhecerei como fostes bom
Se realmente fores.
Seja bem-vindo, cara.  
     

Cresci como qualquer outra criança que acredita em Papai Noel e em toda aquela história que circunda sua fantasiosa existência. Trenó, o carro chique do Noel; Renas, os pets do velhinho; Polo Norte, a casa onde fica a Mamãe Noel fazendo seus biscoitos e ajudando seu esposo a vestir a roupa vermelha além, é claro, de balancear a dieta dele pra que passasse nas chaminés – que eu nunca tive e bastou crescer para perceber que não se faz chaminés em uma das cidades mais quentes de São Paulo. 
Também fui alvo daquela historinha de ser uma boa criança para merecer o presente do Papai Noel. Até se eu deixava de comer o que a vovó aprontava na minha lancheirinha da escola, as tias da escolinha lembravam-me do Noel que estava vendo tudo lá de sua casa. Curiosamente ele parecia Deus, que da mesma forma definido, via tudo de algum lugar distante. Se qualquer dúvida assim surgia, só durava até ver os presentes ao pé da árvore... 
Durante seis anos de existência acreditei no bom velhinho! Pouco antes de fazer sete, no natal de 2000, tive uma comprovação de que tudo não passava de um mito... Parentes de Minas em casa, madrugada de Natal. Depois de toda aquela celebração com direito a comida e orações, a noite avançava para a manhã natalina e todos já iam dormir. Naquele dia eu dormiria com meus pais, pois o quarto estaria a dispor dos hóspedes... Pouco depois de pegarmos no sono, despertei e a primeira imagem que me chamou atenção foi a porta do guarda-roupa aberta. Lá havia um grande embrulho que ficou mais nítido quando me aproximei... Meus pais acordaram com aquela movimentação e não puderam fazer nada... Ou eu acreditaria que o Noel havia deixado aquilo no guarda-roupa para não ocupar um grande espaço da sala, ou eu realmente entendia que os presentes vinham do papai e da mamãe... Estava mais para a segunda opção. Meu pai tirou o grande embrulho do guarda-roupa e colocou-o em sua cama. Desembrulhei ali mesmo. Era um teclado... Achei tão magnífico que quis testá-lo naquela mesma hora... No fim eu havia acordado os hóspedes que inclusive foram até o quarto recepcionar a chegada daquele presentão! 
Havia ainda um patinete que fora colocado ao lado da árvore e, quando acordei pela manhã, ele estava lá. Aquele foi o último sinal de uma tentativa dos meus pais de manterem uma crença de infância minha. Mas foi sem sucesso... Eu tinha em minha mente que eles haviam acordado e colocado lá. Papai Noel não tinha chaves de casa e nem passava por qualquer janela. Não acreditava que haveria uma boa mágica capaz de colocá-lo pra dentro de casa sem que eu pudesse acordar com seus passos. Papai Noel dizia não dar presentes para crianças malvadas, mas eu as via ganhando vários... É, o Noel não passava de uma fantasia. E isso não me entristeceu... Desde que meus Noéis continuassem sendo meus Noéis, qual o problema?  
Prefiro nem pensar na comercialidade dessa data. É triste, pois a cultura de presentear se tornou muito forte e às margens das situações temos aqueles que não podem presentear e os que não podem ser presenteados... Aqueles que só veem o peru no jornalzinho velho do supermercado, só veem o Papai Noel que vez ou outra vai à comunidade dar balas e pirulitos... Acreditam sim nele. Só não entendem porque seus pedidos não são entregues... Crianças que crescem e acabam entendendo o porquê que o presente nunca chegara. Ao menos eu pude desacreditar rodeado pelo patinete e pelo teclado... E os milhões de crianças que além de descobrirem a realidade da pobreza, descobrem que a magia de suas esperanças – o bom velhinho caridoso e gentil – não existe? Sinto-me triste por mais uma vez saber que o espírito natalino é efêmero em muitos lugares... 
Acreditar em mudanças desmitifica essa utopia... Não é só um papinho de natal. Causas nobres duram durante trezentos e sessenta e cinco dias por ano e não devem ser lembradas apenas em um mês. O mundo? Bom, ele anda precisando de umas mudanças... Portanto, se posso pedir uma coisa, é o seguinte...

Que todos “escrevam cartinhas" em seus interiores. E que todos peçam a si mesmos um espírito inacabável de benevolência.
Tá aí. O natal, o fim do ano em geral são bonitos de se ver e de se sentir. Por que não durar pra sempre? Não precisamos de perus toda semana, nem de vinho e salpicão. Se for para falar em presentes, que tomemos consciência do poder que temos em presentear sem ter em mãos um embrulho colorido! E que possamos alimentar a imaginação infantil com bons velhinhos. Ou pra quem preferir, nós. Não estaremos de vermelho todos os dias e nem estaremos com sacos de presentes pendurados nas costas. Nada de gorros vermelhos. Talvez chapéus, bonés e boinas em alguns casos. Barba branca? Só algumas. Magicamente seremos de carne e osso. Precisando, estaremos ali... 
  

        

       Agradeço o carinho de cada um dos seguidores que vem acompanhando há dois meses o Cronicalize. Um bom natal a todos e um excelente 2013 cheio, além de tudo, de muita vida... 
Até lá!
Luís Fellipe Alves

27 comentários:

  1. Olá Luis Felipe. Que bacana tua reflexão. Importante essa transição de infância para adolescência e maioridade. Pelo que vejo tens esses momentos bem definidos! Mas penso contigo sobre os tantos natais que temos pelo mundo e se fôssemos procurá-los a fundo creio que ainda mais nos surpreenderíamos.
    Mas tem ma coisa que ainda tenho forte em mim

    ESPERANÇA.

    Acho que ela pode nos ajudar a pensar em mundo melhor e principalmente agir para que ele fique um pouco melhor para todos.

    Utópico? Então continuarei vivendo de utopias!!!

    Boas festas pra ti! Sempre bom te ler. Adorei as mudanças que fizeste aqui no blog os poemas são lindos!!!

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. R. Vieira, que saudade de vê-la por aqui! Vi que tudo estava muito corrido, é normal!

      Muitos de nós fomos alimentados por essa magia. E mesmo que o Noel não exista, permanecemos no brilho... De acordo com minhas lembranças, o Papai noel foi minha única crença convicta... E lembro-me dessa quebra de sua existência, ficou assim bem definido... E durante toda a vida amadurecemos aos poucos pelos mais diferentes motivos que nos impulsionam a tal...
      Esperança é fundamental! O mundo agradece a cada nova pessoa que ao invés de aceitá-lo como perdido, levanta-se e coloca suas energias em prol das mudanças.
      Boas festas a você e feliz 2013!
      Abraços.

      Excluir
  2. " Tá aí. O natal, o fim do ano em geral são bonitos de se ver e de se sentir. Por que não durar pra sempre? ... " Amo o clima de esperança que essa época do ano tem, uma época que podemos repensar em nossas atitudes, manter o que deu certo, nos livrarmos do que não nos fez bem e continuarmos nessa jornada que é a vida transferindo o que há de bom em nós para os outros. Adotei isso pra mim há um tempo. Acredito que só fazendo o bem é que podemos mudar o mundo de verdade.
    Ah, seu blog me inspira! =)

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Willian! É assim mesmo. O bem faz bem. Só que precisamos estender ess momento em que nosso coração fala alto para o restante do ano... Terminam as festas, fica a casa para arrumar (lembrando-me de um comentário de Tais Luso no blog de Suzy Rhoden), e nos dias seguintes voltamos a ocupar nossas mentes com trabalho, o agito e a rotina da vida. Realmente não podemos parar. Mas podemos seguir com a bondade e o carinho pelo resto do ano. Nós precisamos mostrar que eles não estão sozinhos. Não é mesmo?
      Fico feliz que meu blog te inspire!
      Um bom natal e e feliz 2013!

      Excluir
  3. Que linda mensagem, Luís Fellipe! Mostra exatamente a sensibilidade que há em ti para o que realmente importa nesta vida... Também penso nos Noeis que nunca chegam a casa de criancinhas que muito sonharam com ele... Porém, não vejo o Natal como uma época triste e sim como uma oportunidade de finalmente aprendermos a olhar para além de nós mesmos. Acredito que o ano inteiro deveria ser Natal, a considerar o generoso espírito natalino, mas como somos egocêntricos por natureza, fico feliz por ver dezembro quebrando aquele clima de "eu, depois os outros" que prevalece o ano inteiro. Dezembro para mim é o mês da humildade, quando lembramos de um simples carpinteiro que, em sua simplicidade, tornou-se o rei do mundo e o um exemplo verdadeiro a ser seguido. Mais do que o Noel, no Natal aguardo ansiosa a visita do Salvador em minha casa. Isso coloca os presentes e o típico consumismo desta época em segundo plano - embora existam e tenham seu lugar. Mas estão longe de ser a prioridade em minha casa, e meus filhos compartilham dessa visão e desse sentimento.

    Seu texto é belo, novamente te parabenizo, meu jovem amigo! Um forte abraço, desejando um Feliz Natal e um fantástico Ano Novo!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Suzy! O Natal é o fim do ano que se aproxima é uma época de renovação, de tornar possível, de acreditar. É realmente belo que já exista um mês inteiro em que deixamos de ser nós mesmos, não? Dessa forma quem sabe consigamos estender essa vigência?
      Sua visita com certeza chegará orgulhosa e pelo que conheço de Suzy Rhoden, será bem recebida em qualquer momento! Que a paz, o amor e toda a receita do bem sejam absorvidas, então.
      Embora o consumismo e a agitação particular dessa época tenham sua colocação, ainda assim existem aqueles que enxergam a verdadeira essência da data e do espírito. Ainda mais lindo quando crianças vêm crescendo e baseando-se nessa essência. Você está de parabéns, Suzy!
      Um bom natal e feliz 2013!

      Excluir
  4. Que belo poema Luis
    estou encantada com teus versos. Também emocionou-me bastante a história de teu natal! Uma reflexão e tanto hein!

    Meus parabéns!
    Um beijo enorme pra ti e que 2012 seja repleto de bons momentos e reflexões!

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Fico muito feliz que tenha gostado. E agradeço as belas palavras.
      Um grande 2013 a você, repleto, principalmente, de muita paz e saúde.
      Beijo!

      Excluir
  5. Muito a comentar...

    O poema-oração vai ser guardado aqui e lido e mentalizado e usado como mantra para 2013. Adorei!

    Acredita que não lembro se acreditei e até quando e nenhuma recordação desse tipo sobre papai-noel? Não sei se é das crianças e adultas e prevejo idosas meninas arianas ser contestadoras, poéticas, porém lúcidas e práticas.
    Lembro dos presépios que meu pai sempre fez, toda historia contada durante a montagem, muita criatividade e inovação a cada ano, nas casinhas, manjedoura, luzes e o menino Jesus como centro da festa e que a oferta de presentes era nossa para nossos irmãos, filhos como simbolo de comemoração daquele nascimento, do que ele representa, data de agradecer de uma maneira mais especial e concentrada pelo pão na mesa, oração em forma de discurso antes da janta, músicas de natal na vitrola, não poder falar palavrão, agradecer e pedir por nosso ano escolar, por nossa família, e pelos que não tem família, nem escola, nem ceia de Natal.

    Eu lembro de achar de pequena o Natal triste sempre pensei e até hoje penso nas crianças de rua ou pobrinhas de favelas e interiores sem estrutura, de vitimas de desastres naturais ou de guerra politicas ou religiosas que vem as famílias reunidas, vitrines, doces e presentes e estão ali a margem de tudo.
    Detesto a canção "Seja rico ou seja pobre o bom velhinho sempre vem". Não! não vem, nem vai. As invés de contestarem Monteiro Lobato deviam abolir essa música do repertório natalino.

    Meu filho desde muito antes dos seis anos dizia aos papais noéis do shopping´s que perguntavam sobre o que ele queria: Nada! Meu pai e minha mãe me dão tudo. Ai eu dizia para que ele usasse os pedidos dele para quem não tem nada, para talvez um milagre acontecer e ele dizia, mas eles são só velhinhos que se vestem para o shopping e eu confirmava, mas dizia que podia haver algum mágico, tipo um velhinho mesmo, como super-herói, ou uma energia tipo o menino Jesus que invetou aquela história para castrar pedidos e no dia do seu nascimento e realizar alguns como agradecimento, como dizia que a tomada dava choque e não que fazia dodoi, lugares escuros e perigosos não tinhas monstros e sim perigos de queda e coisas do tipo, como dizia que o coelho da páscoa não levava ovos, mas contava historia dos símbolos, como literatura, como historias que não são reais, mas tem lições de moral, culturais, de formação de personalidade.

    Agradeço por seus post´s aqui, comentários aqui e lá, sempre educados, descontraídos, inteligentes, com bons sentimentos que nos fazem admirar os seres humanos.

    Peço para que mais que boas intenções e floreiros haja ação, esmolas sem anúncio, no natal e todo dia, que haja união, perdão, comida, partilha e mais de humanos.
    Então tá td dito e eu acredito num claro futuro, de música, ternura, terninho, aventuras, poesias, crônicas, doçuras embaixo e em cima do muro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Após notar alguns erros de digitação e subtração de palavras na leitura apurada do comentário quase post que fiz, o que me trouxe aqui é um novo comentário, mas sucinto e direto que traz meu desejo de que naquele minutinho da virada o que não for nos agregar de 2012 fique para traz, seja passado e td que possamos ser, fazer, nos transformar seja possível, busquemos, lutemos, sejamos agraciados nos próximos muitos e novos e milagrosos minutos que teremos pela frente em 2013.
      Bom ter te conhecido em 2012, vou levar comigo isso em uma caixinha decorada do ano de 2012 :)

      Excluir
    2. Tina! Como sempre, comentários brilhantes! Sempre um toque à postagem.
      Adoro presépios. Desde os mais simples até os mais sofisticados. O valor cultural agregado aos presépios representa que o natal vai muito além das compras excessivas. É como um lugar de calma para o mundo de excessos.
      Seu filho é um garoto esperto! Essa idade é maravilhosa, estamos sempre com um coração cheio... E pais que incentivam as causas sociais desde pequenos podem ter ótimos resultados. Enquanto somos crianças nossa cabeça vive de porquês... E às vezes basta saber que a injustiça e as diferenças existem para que tenhamos compaixão. Crescemos, nos tornamos adultos cheios de afazeres, mas teremos marcada em nossa personalidade a bondade para com o próximo. E que isso não morra...

      Eu é que tenho a agradecer, amiga. Sempre comentários muito bons, com detalhes ótimos e citações enriquecedoras. Obrigado de verdade!

      Fico muito feliz de fazer parte do seu 2012! Bora pra 2013 que já está no comecinho e tem muito por aí ;)

      Um grande novo ano para você! Muita paz, amor, saúde e alegria.
      Abração!

      Excluir
    3. Vim aqui saber de vc esses dias, pensando: Será que o ano passou por cima dele?
      Teve isso nas lendas urbanas da sua infância?
      Por aqui dormir ou sonhar acordado na noite da virada era preságio de o ano não passar e o dizer de que o ano novo ia passar por cima?...Porque por cima?...Vá saber!

      Felicidade, admiração e bons desejos mútuos, aguardo por sua nova postagem :)

      Sábado terá por lá uma crônica meio anti tantos tons de cinza e sagas crepusculares :O

      Abço carinhoso em sua vó.
      Lembrei dela e por isso vim aqui, hj temos frago e suco de maracujá.

      Excluir
    4. hahahaha não, Tina, não passou...Passei acordadinho rs.

      Ah, já vou ler agora!

      Que delícia! Mas nada de crônica sendo revisada à mesa né? rsrs

      Excluir
  6. Olá Luís!
    Vim aqui para me desculpar contigo porque ando meio sumida! E também para lhe desejar um natal cheio de alegrias! mesmo sem papai noel! (rsrs) Gostei imenso de te conhecer e de ler crônicas e agora poesias tão lindas escritos por você!

    Que teu ano de 2013 seja maravilhoso viu!
    Um abraço da amiga blogueira aqui!

    o/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, Vanessa, fique tranquila rsrs Esses finais de ano são sempre muito corridos. Temos toda uma vida para administrar, desde particularidades até os nossos pedaços sociais.
      Obrigado de coração, espero que teu natal tenha sido muito bom!
      Um grande 2013 cheio de palavras lindas e vivas!
      Abraço, amiga!

      Excluir
  7. Um Ano Novo de muita paz e harmonia.
    beijos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Janice, seja bem-vinda ao blog.
      Um grande 2013 a você.
      Muito obrigado, beijos!

      Excluir
  8. Olá Luís,

    Espero que embore não acredite mais no Noel, teu Natal tenha sido mágico. Há uma energia diferente, boa, nesta época do ano. Bom, chego a tempo de te desejar um feliz 2013. Nos vemos no próximo ano! Um grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Rovênia!
      Foi um natal muito bom sim. Estar ao lado dos meus pais é muito bom e poder tê-los presenteado foi uma sensação legal. Enfim as coisas parecem trocar de posição! O fundamental está no amor, sempre.
      Um ótimo 2013 e que esse ano seja repleto de coisas boas.
      Abração!

      Excluir
  9. Lindo 2013 pra você, Fellipe!
    Quase na mosca, passados 25 minutos!
    Muita paz e alegria pra você. E... Avante!
    bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por tudo, Tais...
      Um grande 2013 a você! Paz e alegria sempre...
      Avante, amiga!
      Beijos

      Excluir
  10. "Deixe rastros de alegria por onde passar."(Chico Xavier)
    Boa Tarde pra você neste Novo Ano
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jeferson, seja bem-vindo ao blog!
      Bela citação de uma pessoa brilhante.
      Um ótimo 2013, amigo.
      Abraço

      Excluir
  11. Minha nossa!
    Você foi sortudo, eu já não acreditava em Papai Noel desde a tenra idade, fingia e abusava, cada ano pedia algo mais caro. Uma noite meu pai foi colocar minha bicicleta nos pés da minha cama, abri os olhos e zombei dele. Que burra! Nunca mais ganhei presente de Natal.
    Mas ele me deu o presente mais caro do mundo: amor; foi o suficiente para eu poder amá-lo até a sua morte.
    Obrigada por me seguir
    Vou segui-lo também, não moro muito longe de Ribeirão Preto.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Dorli. Seja bem-vinda ao blog!

      Mas que coisa, hein? Foi logo zombar! rsrs
      Com toda certeza, o maior dos presentes desses nossos noéis é o amor. Não há presente que se compare e que vença esse.
      Eu é que agradeço pela sua visita e por me seguir.
      Moras perto então? Que bacana!

      Beijos

      Excluir


Obrigado!




Ir para o Topo