quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Patê e Política






Era um hotel bem simpático. A diária não ultrapassava muito os preços encontrados pelo casal, que viajava a trabalho. O rapaz saiu cedo para a convenção e a mulher acordou um pouco mais tarde e foi ao salão de café da manhã.
Estava para se servir, mas o celular tocou. Era o marido.
- Oi querida, como está por aí?
- Bem. Estou no café. E aí?
- Intervalo para um mini croissant duro e mal recheado com suco de pera sem açúcar e com gosto de qualquer coisa, menos pera.
- Coitado... 
- Que barulho é esse aí?
- É a TV. Está no canal de discussão política. Bem no café da manhã. Agora que você falou, percebi. Que coisa mais chata, não? E está tão alta. Eu lá tenho cara de quem tem alguma coisa a ver com política? Ninguém sequer está assistindo. Eu odeio política com todas as letras. Argh.
- Calma, amorzinho. Vai tomar seu café. Estou voltando para o auditório. Beijos, querida.
- Beijos, amor.
E a mulher seguiu para a mesa do café da manhã do salão. Pegou torradas e duas fatias de peito de peru. Ao lado da cesta de mini pão francês, havia uma tigela com uma espécie de patê. Não sabia do que era, prosseguiu.  
Ao ver um senhor, funcionário da cozinha, questionou:
- Com licença... Do que é esse patê?
- A senhora se importa?
- Como é?
- Desculpe. É patê.
- Isso eu vi. Quero saber o sabor.
- A senhora já comeu patê?
- Mas é claro que já!
- Pois então.
- Mas existem vários tipos de patê!
- E?
- E o quê, meu senhor?
- E o que você quer?
- Quero saber do que é feito esse patê!
O homem ficou calado. E a mulher cochichou para si, sem olhar para o homem.
- Patês não dão em árvores...
- Genial a sua análise, minha senhora.
- Você está sendo irônico?
- Ora, ora. Reclamou a mulher que me disse que patês não dão em árvore!
- Qual é a do senhor?
O homem, novamente, nada respondeu. E ela, irritada, deu continuidade.
- Eu tenho alergia a atum!  
- E se for de atum?
- Se for de atum eu não vou comer. Para mim nem deveria estar aí. Quem come atum de manhã?
- Então patê de atum faria mal à senhora?
- O que eu acabei de dizer? Sim!  O senhor poderia, por gentileza, dizer do que é esse patê?
- Sabe, senhora, o patê e a política ficam muito parecidos nesse ponto. Certamente não nascem em árvores, e têm ingredientes variadíssimos. E assim como é importante saber do que é feito esse patê antes de engoli-lo ou jogá-lo fora, é muito importante também se inteirar sobre a política, sobre como é feita e do que é feita antes de julgá-la. E o mais importante: ela pode nem dar alergias em você, mas a política feita hoje em dia tem causado problemas a milhões de pessoas. Antes de dizer que a odeia, pense que a senhora e sua barriga são parte desse problema todo. E parte da solução também.
A vez de ficar calada foi da mulher.
- A propósito... O patê é de frango. Bom apetite. 

Luís Fellipe Alves

16 comentários:

  1. Bom, a gente precisa entender, saber o que está acontecendo, mas se é horário político na TV, eu desligo na boa! Texto cativante! Um abraço! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro, horário político é a merchan da eleição - não tem serventia a não ser nos irritar profundamente.

      O que a mocinha do texto reclama, é de um programa de discussão política, que pode ser de bastante serventia, como alguns veículos fazem sobre o cenário do país.

      Obrigadão e abraço!

      Excluir
  2. Eu acho que todo mundo tem a obrigação de saber alguma coisa, de se interessar por política, que como a matemática está em tudo.

    Em se tratando de política e economia, o que acontece do outro lado do mundo nos afeta e estando cientes e atentos a essa influência do que não parece conosco, sobre nossas vidas, é que se escolhe melhor em quem se vota, se cobra, se sabe dos direitos que se tem, se faz sua parte sem esperar o poder públicos etc etc etc

    Maravilhosa crônica, reflexão e puxada de orelha.

    A propósito eu como feijoada de manhã, carne do sol com cuscuz, para quanto mais patê de atum. Viva as diferenças e abaixo os melindres \o/

    AMEI ver o projeto ai ao lado, estou precisando urgente ir aos correios para contratar o serviço de caixa postal e divulgar o número.
    Valeu viu!

    ResponderExcluir
  3. Oi Luís
    Sua crônica é muito boa
    Adoro crônicas, faz tempo que não escrevo uma.
    Parabéns garoto.
    Eu adoro patê de atum, pois peixe vermelho faz mal para pobres.kk
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  4. Olá, Luis.

    Delicioso patê para explicar a política.

    Gostei, parabéns!

    Ótima sexta para você!

    ResponderExcluir
  5. Olá Luis Felipe,muito interessante seu blog,
    Parabéns pela crônica.
    Como diz a Rovênia,desligamos a televisão,
    ou assistimos,outros programas televisivos mais interessantes.

    Abraços.
    Carmen Lúcia-mamymilu.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Oi Luis Felipe
    Adorei o seu comentário. Eu já sou mais velha e antes a beleza era natural e ninguém queria ficar pra titia. Tem uma resposta para um blogueiro, você é inteligente.....
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  7. Rsrsrs Genial!
    Somos tão exigentes com o patê, queremos saber a história da família do bichinho que foi parar ali, em nossa mesa, mas dispensamos qualquer conhecimento na área da política. O histórico dos candidatos? Capaz que vamos perder preciosos minutos de rede social mexendo nessas coisas... afinal, as coisas nunca vão mudar mesmo! E seguimos com nosso desjejum, pouco nos importando com o mundo ruindo do lado de fora... devido a má administração pública!!!
    Você captou muito bem o pensamento de muitos brasileiros, deu seu recado de maneira clara e ilustrada - adorei!
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  8. Olá td bem por aqui vim te visitar adorei
    a cronica , td muito bem escrito, e gostei de
    conhecer se espaço muito bonito mesmo
    Deixo um abraço com carinho e espero receber
    sua visita pq eu já vou ficando por aqui
    Bjusss
    ____________Rita!!
    http://cantinhovirtualdarita.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

  9. UAU! Arrasou!
    Este parágrafo final (fala do funcionário da cozinha) foi brilhante e disse tudo que deveria ser dito aos distraídos e desinteressados cidadãos brasileiros (claro que há exceção).

    Parabéns!

    Abraço

    ResponderExcluir
  10. Pois é... engraçado mesmo como umas coisas muito cabeludas estão conseguindo passar lá na Ilha da Fantasia... e ninguém se mexe, não perguntam muito, não comparecem e se preocupam com o gosto de comidas e outras baboseiras! Se todos contestassem aquelas barbaridades o gosto da política seria diferente. Seria ao ponto!

    Beijos, amigo, gostei!

    ResponderExcluir
  11. Oi Luís Felipe! Achei muito interessante a maneira como foi abordada a questão da falta de interesse pela política. Querendo ou não, gostando ou não, estamos inseridos em uma sociedade onde um deveria zelar pelo outro, e a política justamente é a discussão das melhores maneiras de servir a esse todo (mesmo que na prática não esteja funcionando como deveria). Lendo um livro de História, achei interessante ver da onde deriva a palavra "idiota"... de um termo grego que significava "cidadão particular", ou seja, quem não se interessava pelo que dizia respeito à sua cidade.

    Obrigada pela visita ao meu blog, seja sempre bem-vindo por lá. Um abraço!
    http://duasepocas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. rssssssssssss...Ela teve que calar e engolir em seco essa! Muito legal! abração, mas eu não gosto de política, nem dos políticos,rs

    ResponderExcluir
  13. Oi Amigo,
    Obrigada pela visita
    Gostou?
    Beijos
    Lua Singular
    Tô indo pra hidro...

    ResponderExcluir
  14. Passando para desejar uma boa sexta e proveitoso fds para vc.

    Dá um cheiro na sua vó por mim :)

    ResponderExcluir
  15. Acho de suma importância preocupar-se e estar a par dos patês.
    Por exemplo, está aqui no jornal, que o governador do Ceará, Cid Gomes contratou um serviço de buffet para abastecer sua residência e seu gabinete por R$3,4 milhões. Creio que o patê estava incluso no preço.
    Abraços.

    ResponderExcluir


Obrigado!




Ir para o Topo