sábado, 2 de novembro de 2013

Serra Pelada 10, The Bling Ring 0




Ir ao cinema assistir a um longa por confiar em fatores como trailer, sinopse e atores/atrizes interessantes não é sempre uma boa ideia. Sem muitas outras opções, procurei por um filme que coubesse àquela tarde de domingo há um tempo. Combinado que seria “The Bling Ring – A gangue de Hollywood”, cujo trailer pareceu interessante, fomos em direção à sala de cinema esperando por um entretenimento mínimo.
Salvo o prazer da companhia e os deliciosos crepes, não atingi o objetivo de me entreter. Isso porque estamos falando de um filme vazio, extremamente repetitivo, que pareceu até ser escrito por um dos personagens.
Baseado em fatos reais, o longa se trata de uma gangue de jovens que saqueavam casas de famosos em Los Angeles, além de se drogarem o tempo todo. Eu esperava poder entender mais sobre o comportamento das personagens, a forma de pensamento diante de suas atitudes e também em como as consequências cairiam sobre elas. Certo. Dito isso, o mínimo que se espera, então, é uma história, um enredo, um contexto. Puft.
 Um garoto novo na escola é abordado pela menina líder dos roubos e, sem motivos aparentes, começam a saquear as casas. Outras três garotas também participam dos furtos. Só a casa de Paris Hilton é invadida umas oito vezes. Há pouco vestígio de segurança humana e existe uma facilidade gigantesca em levar joias, roupas e sapatos. O grupo não se preocupa com câmeras, com a bagunça que deixa por onde passa e nem mesmo em estar levando muitas coisas. Entre um roubo e outro, o elemento de ligação é uma das personagens investigar quais famosos estariam fora de casa em determinada data. Com uma facilidade impressionante, encontravam o endereço da estrela e pronto. Lá estavam os cinco com as mãos na massa.
O que dá sequência é que os famosos reportam os roubos e exibem as filmagens do circuito de câmeras. A polícia vai atrás dos jovens e dos demais envolvidos, cada um recebe sua pena no tribunal e fim. Sem romances, sem aventuras, sem suspense. Nada.
Quem nunca julgou um filme pela capa, que atire a primeira pedra. O trailer pode até parecer interessante, mas já não é mais uma fonte tão confiável. Ter ou não boas estrelas atuando também não é elemento único de critério. De tudo a gente tira uma lição. Não abro mão das críticas de especialistas. E ouvir a opinião alheia também pode ser válido – já espalhei por aí o quão decepcionante foi assistir The Bling Ring. Vai da pessoa se ela quer ou não conferir com os próprios olhos.
Já “Serra Pelada” foi uma surpresa. Eu que conhecia muito pouco sobre essa história dourada do país, que teve um apogeu nos últimos anos do regime militar, passei a entender melhor o que foi aquilo tudo. Quando escutava esse nome – Serra Pelada – a primeira imagem que me vinha à mente era aquele formigueiro de trabalhadores, trabalhando debaixo de sol quente e carregando sacos de terra nas costas.
Não sou crítico, sou um mero mortal que comprou um ingresso e teve a felicidade de conferir uma excelente produção nacional. Digo que o filme foi realista e, também, capaz de levar o espectador àquele momento. O norte do país abrigou inúmeros trabalhadores, que se deslocaram de vários cantos para buscar uma oportunidade de ascensão. E o filme trabalhou muito bem não só esse ponto, mas também o comportamento humano diante a fome pelo dinheiro e o enriquecimento rápido. A banalização da vida e as relações humanas no convívio social em ambientes como as serras também foram tratados com bastante atenção. Aos atores e ao diretor, meus aplausos.
Nesse jogo, não tenho dúvidas, cinema nacional ganhou disparado. E ganharia com algumas outras produções, que são espetaculares, também. Não precisamos de megaefeitos especiais, produções futurísticas e coisas do gênero. A grandiosidade do nosso cinema nasce da grandiosidade de nossa cultura.
Luís Fellipe Alves

10 comentários:

  1. Boa noite, eu prefiro assistir filme em casa, quando não me agrada mudo de canal
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A programação não anda me agradando ultimamente, sem contar que essa transição dos aparelhos analógicos pros digitais tem mudado muita coisa, muitos canais perderam as legendas, estou esperando chegar o aparelho novo!

      Obrigado pela visita, beijos

      Excluir
  2. Eu gosto de cinema, mas quando erro o filme, que raiva,rs. Valeu todo o resto,né? E ainda bem, acertaste com o Serra Pelada! Não vi ainda! abraços,ótima semana,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale muito a pena, acredito que vai gostar também!

      Ótima semana!

      Excluir
  3. Filmes, livros e pessoas pela capa, são julgamentos que fazemos, com menos intensidade com o passar dos anos e deles temos surpresas aos vezes ruins, as vezes boas.

    Estou formigando para ir ver Serra pelada, pela história nacional e por Wagner Moura.

    Saborosa semana pra vc e bjo meu pra vó
    Faz de conta que toquei na campainha com travessinhas com bananada e paella
    * Daqui de casa saem pratos de duas nacionalidades...rsrs

    **Desejei os crepes, AMO crepes :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, qualquer hora dá uma passada por aqui em Ribeirão e confere esse crepe. Nunca comi igual, uma delícia.

      Ih, se tocar a campainha e entrar, a vó não deixa sair mais de tanta coisa que faz pra comer hahaha

      Excluir
    2. Aqui como em poucos lugares tem respostas e comentários a nossos comentários, adoro isso. Um trabalho e cuidado extra.
      Desejei dobrado agora os crepes, tô numa situação que um ruim daqui já me atende...rsrs

      Sei bem como é isso de anfitriões quituteiros (por meu pai e minha mãe, embora ele seja o meu mestre cuca preferido),.
      Se vó Valdice vir meu figurino 36-38 então, vai achar que aqui em casa não tem comida e vai tascar coisas pra dentro de meu bucho....mts risos

      * Bolinhos de chuva são sonho ainda, quem sabe esperando para um dia ser realizado com os dela.

      Excluir
  4. Fellipe, adoro ver filmes em casa com um tanque de pipocas ao lado e não atrapalhando ninguém! Hoje temos facilidade de alugar em casa, direto. Vou pedir Serra Pelada!
    Ótima lembrança pra mim, faz tempo que penso em vê-lo e fazer um pic-nic rss. Isso jamais faria indo ao cinema, é uma das coisas que mais me irrita o tal nhac-nhac das pipocas... Sou relutante!
    Beijão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahaha meu problema com as pipocas não é tanto o barulho, fica mais por conta do valor simbólico que cobram!

      Vale a pena conferir, foi uma ótima produção.

      Beijão, bom findi! (À moda de Sueli) hahahaha

      Excluir
  5. Deu vontade de assistir ao filme Serra Pelada. É história, nossa história. Pra quando tiver um tempinho... Boa semana aí! :)

    ResponderExcluir


Obrigado!




Ir para o Topo