sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Megasmartphone







– Carlos? Que surpresa!
– Hã... Quem é você mesmo?
– Pedro. Do colégio. Lembra?
– Não pode ser verdade. – Carlos balançou a cabeça algumas vezes.  – Você diferente, cara! Todo charmoso, de terno, sem aqueles óculos fundo-de-garrafa que deixavam seus olhos parecendo olhos de...
– Et. É, eu me lembro disso. Uso lentes agora.
– Engraçado te encontrar no shopping. Não era sua praia na época do colégio! Mas também, já faz mais de vinte anos isso! E o que você tá fazendo da vida, cara?  Dando aulas de matemática pra crianças? – Carlos nunca largava sua acidez.
– Na verdade, não. Dou aulas na Universidade. Mas é sobre reintegração social. – Bastou que Pedro olhasse dois segundos para o lado e Carlos já estava agarrado ao megasmartphone. Um supercelular, espessura mínima, funcionalidade e interatividade máximas. – Carlos?
– Opa, desculpa! Tava conversando com minha garota.
– Imaginei... Quem é sua garota, alguém da época do ensino médio?
– Não! É aquela que vem nos sistemas operacionais, sabe? O nome dela é Megan.
– Meu Deus. – Sussurrou Pedro.
– O que você disse?
– Eu só estou um pouco surpreso. Você era tão descolado na época do colégio, tinha mil e uma garotas atrás de você e agora você se relaciona com um sistema operacional?
– Olha em volta de você, cara. vendo alguém desgrudar disso aqui? Ninguém quer mais nada comigo, não. Sistemas operacionais são baratos, eficientes, não pedem presentes caros, nada além de uma atualizaçãozinha que custa no máximo uns 20 dólares por semestre. Te acorda na hora certa, dá bom dia com carinho, beijinho pelo sensor de tela. É maravilhoso. Eu amo!
– Uau, tentador... – Respondeu Pedro ironicamente.
– Mas e aí, o que é essa tal reintegração social? Esse nome me dá sono. Nada pessoal...
– É o campo em que eu trabalho. Vai além da Universidade. Eu estudo uma maneira de... Você está ouvindo?
– Sim, cara. É que a Megan é possessiva, quer minha atenção o dia todo. E se eu não der atenção, ela me castiga. Mas pode falar.
– Uma maneira de fazer as pessoas voltarem a se socializar no mundo real. Sem celulares e computadores o tempo todo. Eu mesmo não tenho um.
– Um relacionamento?
- Não, não. Um megasmartphone. Relacionamento eu ainda tenho um de verdade.
- Você é um babaca. – Disse Megan. Carlos deu uma pequena risada e se desculpou de Pedro.
– Sem problemas. Como eu estava dizendo, sistemas operacionais não são a melhor fonte de relacionamentos e podem ser prejudiciais para o convívio social.
– Prejudiciais? – Retrucou Megan. – O que você está querendo fazer? Arruinar o meu namoro?
 Claro que não. Você nem tem uma vida de verdade. Você é um sistema operacional enxerido.
- Pelo menos minha vida é feliz. E a sua, mané? O que você faz? Dá aulinhas, volta pra casa e janta com sua esposa feliz, que na verdade só está fingindo que tem saco pra escutar tudo o que você conta pra ela depois de um dia entediante do seu trabalho?
 –Quer saber? – Pedro alterou a voz – Eu não ligo para o que um sistema operacional fajuto tem a falar de mim!
– FAJUTO? – Disseram de uma única vez todos aqueles celulares nas mãos das pessoas que passavam ali por perto.  Então, toda aquela gente, outrora vidrada em seus aparelhos, curiosamente despertaram e olharam Pedro, fuzilando-o. Da mesma forma que alguém o fuzilaria por menosprezar um companheiro do mundo real.
Aproximavam-se de Pedro ainda com olhos de sangue. Centenas a sua volta, como se cobrassem explicações sobre aquilo. Estavam tão próximos que Pedro já podia sentir as respirações trombarem com sua pele.
– Ah! – Gritou Pedro, que levantou num pulo da cama. Colocou seus óculos fundo-de-garrafa, correu para o banheiro e se olhou no espelho. – Ufa...
O garoto voltou para a cama, pegou seu celular e mandou uma mensagem de voz para uma colega pelo WhatsApp.
– Nanda, tive um pesadelo horrível!
– O que teve de tão horrível??? – Respondeu a menina, surpresa. 
– Eu não tinha um smartphone!

Luís Fellipe Alves

6 comentários:

  1. rssssssssss...Parabéns!!1 Maravilha e num mundo onde o TER é tão importante, não ter um modelo dos mais, mais, finos, leves, poderosos, pode causar traumas,rs abraços, tuo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Conhece? Dois minutos apenas. Bj!

    https://www.youtube.com/watch?v=PmCDxY2lJAE

    ResponderExcluir
  3. Virgi Maria... tenho pesadelos com essa tecnologia, com esse tipo de vida. Não conseguiria me enquadrar, mesmo com um 'profe' me ensinando 24 horas. Prezo muito a minha liberdade. E não quero ninguém me adicionando a nada! rssss
    Muito criativa essa sua história, Fellipe!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  4. Muito bom Fellipe!!! Me assusta muito esse mega uso dos "Megasmartphones" da vida, que na real está deixando de ser vivida...
    Abraços

    http://simplesmentelilly.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Você está demorando a voltar para o blog, hein Fellipe? Que pena, seus textos são ótimos.
    Que você esteja bem, bjus.

    ResponderExcluir


Obrigado!




Ir para o Topo